Início  >  O que é?

O que é?

Urbanismo Estruturante ou, mais precisamente, Urbanismo Estruturante e Operativo são expressões que procuram refletir a atitude metodológica que prosseguimos nos nossos trabalhos, nos profissionais e nos académicos.

 

Pontos focais dessa atitude metodológica:

 

// O território – suas características biofísicas e ocupação humana nele existente – são ponto de partida que importa conhecer e (regra geral) respeitar em qualquer intervenção.

 

// Boa intervenção no território é aquela que considera e consegue melhorar o conjunto onde se insere, centrando-se no essencial.

 

// Em qualquer território é essencial a existência de uma rede – funcional e percetível – de elementos estruturantes, que integre mobilidade, rede ecológica, monumentos e polos vivenciais.

 

// As questões de estrutura colocam-se – de forma hierárquica e complementar – em cada um dos âmbitos territoriais: região, cidade alargada, partes de cidade, cada um dos bairros.

 

// São necessárias intervenções – estruturantes, estratégicas – que resolvam as deficiências de estrutura presentes em cada âmbito territorial.

 

// Na situação portuguesa, tendo-se construído em excesso e em extensão desorganizada, as grandes apostas terão que incidir na reabilitação, mas também na colmatação estruturante.

 

// Cada operação de colmatação estruturante, para que cumpra o seu objetivo, exige localização e programa muito específicos.

 

//Estas operações, para que se concretizem, têm que ser dinamizadas por município e têm que procurar autofinanciamento, sempre que possível pagando-se a si próprias.

 

// Para a viabilidade fundiária e económica destas operações é indispensável uma política pública de afetação perequativa de mais valias, que estabilize a preços compatíveis os valores praticados no mercado mobiliário.

 

// A atitude metodológica assente nestes pontos focais exige: articulação de escalas e de técnicas; articulação de políticas e de instrumentos legais; iniciativa municipal; mobilização de diversos agentes, proprietários, investidores e utilizadores.

 

Chamamos-lhe Urbanismo Estruturante e Operativo.